Mapeamento do Fluxo de Valor Atual em Hospitais

Quer resolver os problemas de um hospital? Comece com um mapa!

Os hospitais, como qualquer tipo de organização, possuem inúmeros problemas e, sendo assim, muitas vezes não temos um direcionamento claro do ponto de partida para resolvê-los. Será que eu começo pelo pronto atendimento, a fim de tentar minimizar as filas que lá ocorrem? E a fila de espera para uma cirurgia, como resolvê-la? E os problemas associados à falta de leitos de internação, o que fazer? Por não termos uma visão clara do todo e uma visualização das relações de causa e efeito entre os problemas, corremos o risco de direcionarmos nossos esforços em soluções de baixo impacto para os pacientes e também para a organização.

Quer de fato entender os grandes problemas do seu hospital? Então comece por um mapa. Geograficamente um mapa tem o poder de nos mostrar o caminho. Gerencialmente, ele tem o poder de nos dar uma visão do todo, e nos mostrar nossos grandes problemas. Em um ambiente hospitalar, olhar sob a perspectiva do paciente ajuda muito no processo de identificação de problemas. E é nesse sentido que um mapa de fluxo de valor deve ser desenvolvido: observando o fluxo do paciente pelas diversas etapas e atividades pelas quais ele é submetido no hospital.

Durante todo o tempo de permanência de um paciente em um hospital, ou seja, desde o momento em que ele entra doente pela porta de um hospital até o momento em que ele sai curado pela mesma porta a caminho de sua casa, o paciente realizou atividades que de fato contribuíram ao seu processo de transformação de paciente doente em paciente curado, como por exemplo, a atividade de realização de uma cirurgia ou o período de tempo em que ele esteve medicado. Por outro lado, existiram outras atividades que não transformaram o paciente doente em paciente curado. Por exemplo, as inúmeras esperas: o tempo de espera para ser atendido na recepção do hospital; o tempo em que o paciente levou para preencher um cadastro; ou o tempo em que o paciente esperou pela liberação da sala de cirurgia ou; após a cirurgia, o tempo em que o paciente esperou por uma medicação e, ainda, o tempo que o paciente já curado, esperou para receber alta do médico.

Um mapa de fluxo de valor irá lhe mostrar as atividades que transformam o paciente (de doente para curado) e as atividades que não transformam o paciente (tempos em filas e esperas). Reconhecer essas atividades e os tempos associados a elas é um passo importante para identificar os grandes problemas dos hospitais e iniciarmos um processo de solução dos mesmos. Então fica a dica: comece por um mapa!

Esse módulo irá lhe ajudar a entender como elaborar um mapa de fluxo de valor em ambientes de saúde e como aplicá-lo na prática.

 

2018-02-06T17:57:08+00:00

Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Informar sobre